terça-feira, 24 de dezembro de 2019

Em Natal...



Neste dia em que a energia coletiva dá legalidade à vulnerabilidade, desejo me conectar profundamente com o tesouro que reside dentro de mim.

Esse cristal que permanece intacto, que guarda a memória da divindade que Eu Sou e que dá passagem ao santo ser Crístico, hoje, reverbera em nossos olhares, em nossas famílias, em nossas mesas.

Hoje, derrubamos as barreiras que nos impedem de dar e receber amor.

Hoje, relevamos as desavenças e perdoamos as ofensas.

Hoje, desejamos abraçar (ainda que com palavras) quem é incapaz de se mover em direção a nós.

Hoje, nós transbordamos, nós oferecemos mais do que temos, nós nos movimentamos mais do que achávamos ser capazes.

Natal deixou de ser substantivo, para nascer em nossos corações como verbo, impelindo-nos a agir em relação ao que nos é mais valioso (e vivemos a negligenciar): os nossos relacionamentos.

Hoje, eles são a nossa prioridade. Movemos montanhas e percorremos distâncias inacreditáveis para dividirmos a mesa com quem nos é mais caro.

Manifestamos o melhor da nossa humanidade.

Silencie, observe e sinta essa energia, para que seja capaz de reconhecê-la e ativá-la nos demais dias do ano.

Que a permissão coletiva ative em todos nós a força necessária para o nascimento de um novo eu.

Que nós recebamos, nos dias que seguem, abraços sinceros e demorados, como os que recebemos hoje.

Que sejamos capazes de sustentar a frequência do amor, apesar dos desafios.

Em Natal, Talita




Nenhum comentário:

Postar um comentário