segunda-feira, 31 de dezembro de 2018

2018 foram muitos



2018 foi, literalmente, mais que um ano. 

Foram vários. 

Foram vidas. 

Tudo se manifestou no agora, simultaneamente. 

Eu fui inúmeras de mim. 

Experimentei o amargo e o doce de mim. Experimentei o gosto do meu próprio julgamento. Experimentei a submissão ao poder que eu dei a algumas pessoas. 

Mas, sem dúvidas, a maior experiência foi com o medo. 

Pude perceber o incrível potencial de criação dos meus medos. 

Sim, eu os vi de frente mais uma vez. Especialmente, o medo de repetir o passado e o medo de perpetuar padrões sistêmicos. Ele havia colocado importante parte de mim para dormir: algo em mim não parecia vivo.  

Fragmentação. Desfragmentação. 

Também foi um ano de reencontros. Muitas eras dispostas a convergir, a resolver, a transmutar e a somar. 

Limpezas amorosas por meio da construção de novas relações, de novos laços. 

Tive a sorte e a honra de conviver com pessoas abertas à expansão, dispostas a enfrentar as próprias verdades, dando precioso espaço para o Universo trabalhar. 

Tantas relações nasceram e tantas outras se fortaleceram. Descobrimos novas maneiras de interagir, novas maneiras de servir, novas maneiras de nos expressarmos. 

Nem tão novos rumos, mas, certamente, caminhos mais claros e passos mais firmes. 

Levo comigo a boa e velha solitude. Aquela parte de mim que dá lugar ao vácuo, que permite um sutil distanciamento e onde acesso um verdadeiro turbilhão de informações em forma de energia (de difícil tradução). 

Hoje, o silêncio (em relação ao meu universo interior), que me acompanhou ao longo de boa parte desse ano, cede lugar à gratidão. 

Gratidão a tudo que me tirou a paz. 

Gratidão a tudo que moveu meu chão. 

Gratidão a todas as crises, a todas aa catarses, a todas as críticas,  todos os desentendimentos. 

Gratidão, pois me aproximou cada vez mais do meu centro, da minha essência e da pureza do meu coração.  

Na certeza de que nada sei. 

Na certeza de que a minha verdade só serve a mim. 

Na certeza de que estou dando o melhor que tenho. 

Desejo a mim e a você um 2019 de profundo amor próprio, de farta colheita e de doçura no caminhar.      

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

Iemanjá e as águas das nossas emoções




Ouvi, esses dias, uma definição grega para a felicidade: um momento que você não deseja que acabe.

Os momentos que aqui vivemos passam a fazer parte de nós. Onde quer que estejamos, somos as flores e somos o fogo. Perfumamos e aquecemos. Embelezamos e transmutamos.

Aqui, nós experimentamos o prazer do compartilhar, o prazer do conectar, o prazer do acolher.

Mais que isso, comprovamos que a nossa força não está na nossa capacidade de construir muros em torno das nossas vergonhas e das nossas fraquezas; mas, sim, na aceitação da vulnerabilidade – inerente a todos os seres humanos.

Quando deixamos, do lado de fora da porta, os nossos sapatos, derrubamos também as nossas máscaras e abandonamos os nossos personagens. Então, nesta sala, damos o primeiro passo em direção à nossa verdade, encarando essa mandala florida e iluminada.

Fica claro, as vergonhas e os desequilíbrios que tanto escondemos (e que tanto nos isolam) são, apenas, parte do enredo.

Enredo que nos permite conhecer a fundo as dores e os pavores dos seres humanos, para que tenhamos empatia, para que aprendamos a curar o corpo de dentro para fora, para que sejamos compreensivos em relação às fraquezas e dificuldades, para que não subestimemos as emoções e as dores que às vezes nos assolam a ponto de nos imobilizar.

Assim, vida após vida, estamos passando por este processo, até que sejamos capazes de ser compreender a natureza dessa experiência e, então, transcendê-la.

Hoje, Iemanjá nos convida a conhecer as águas do nosso ser.

Água que flui com graça e gentileza, que parece se adaptar ao caminho que lhe é oferecido, mas que, silenciosamente, promove transformações profundas e irreversíveis.

Água que irrompe com força e determinação, que não pode ser contida, que não pode ser freada.

Água que lava, água que leva.

Permanente como as marés, impermanente como as chuvas.

Ora doce, ora salgada. Ora transparente, ora misteriosa. Ora calma, ora impetuosa.

Não por coincidência, a água é o elemento que rege as nossas emoções. Mais que isso, é um verdadeiro arquétipo: representa o contínuo fluxo da vida, o movimento como ordem.

Seja como for, em qualquer das suas formas, a água é sempre transformadora. Assim como ela desgasta as pedras, as nossas emoções nos lapidam.

Podemos observá-las, compreendê-las e acolhê-las. Permitiremos, assim, com a intimidade, que as nossas emoções sejam águas límpidas e gentis.

Podemos rejeitá-las, negligenciá-las, resisti-las. Criaremos, assim, uma potente onda em sentido oposto, que violentamente nos derrubará. Águas turvas cuja profundidade e conteúdo desconhecemos.

Qual será o ritmo das nossas águas? Qual a profundidade? Onde ainda estão turvas e nos deixam com medo de mergulhar? Qual será a dança que as nossas curvas preferem?

Que o ancoramento da terra e a força do fogo nos tornem capazes de ceder à fluidez das nossas águas e nos concedam um porto seguro para observá-las e conhecê-las.

Guiados por Iemanjá, que nos seja concedido acesso à nossa mente subconsciente, para que tomemos consciência dos programas e sistemas que constroem os nossos padrões repetitivos de conduta e que disparam os nossos gatilhos emocionais, tornando-nos caminhantes mais lúcidos e conscientes.

Salve Iemanjá.

quinta-feira, 8 de novembro de 2018

Somos a boa nova





O canto especial da Irmandade nos traz de novo ao nosso ponto de partida: Jesus e Maria Madalena – que são, para nós, a representação mais familiar do equilíbrio divino.

Muitos de nós – senão todos – partilhamos experiências naqueles tempos. Ouvimos, extasiados, a boa nova. Dançamos em torno do fogo. Repartimos o pão.

Também fomos perseguidos, sentimos medo, questionamos.

Retornamos muitas vezes, sempre firmados nos mesmos propósitos: a libertação, o direito à plenitude, a manifestação do amor.

Nós assumimos o compromisso de elevar a raça humana por meio de cada corpo que aqui utilizamos. Foi um longo caminho.

Certa vez, em prantos, eu pedi a Jesus que colocasse em minha mente o olhar amoroso que, naqueles tempos, me resgatou de uma vida sem sentido.

Ele, então, disse: “esse olhar, hoje, é o seu”.

Percebam, hoje, nós somos a boa nova. Ela é viva e se manifesta. Ela pulsa.

Desde que mergulhamos na densidade, após a queda da Atlântida, talvez seja a primeira existência em que podemos nos reunir e nos manifestar livremente; em que estamos todos a serviço da paz e do bem.

Isso é a Irmandade da Rosa: a reunião de uma família.

A energia que aqui se manifesta é a da abertura, da amplitude, da acessibilidade, da disponibilidade.

Assim, expostos e vulneráveis, permitimos a mais pura conexão, pois somos essência – e, em essência, somos todos divinos.

Acolhemos a nossa divindade e a divindade do outro. Fazemos as pazes com as nossas escolhas e com as escolhas do outro.

Diferentes modos de caminhar guiados ao mesmo destino: a unificação.

Essa é a representação no centro da nossa mandala: o Um, o fluxo divino da vida, o ir e vir, o movimento, o infinito se manifestando no agora.

Nós somos o infinito se manifestando no agora.

Somos a nossa ancestralidade. Somos a nossa herança galáctica. Somos todas as linhas do tempo convergindo conscientemente e muito determinadamente para elevação de Gaia: nós a levaremos conosco neste salto, por isso temos retornado insistentemente e amorosamente para este orbe.

Nós somos a personificação das limpezas da nossa amada Mãe Terra. Filhos e Filhas da Terra a serviço de quem tanto lhe nutriu, a serviço de quem preparou e sustentou o palco para tantas existências e tantos aprendizados.

Então, no silêncio do nosso ser, que despenquem as máscaras, que se dissolvam as couraças, que desmoronem as verdades e os julgamentos; para que nos reconheçamos frutos da mesma árvore, portadores da mesma Luz da Vida.

Eis a Terra Prometida e eis, aqui, as crianças, os puros de coração.


Talita Rebello

sexta-feira, 12 de outubro de 2018

Criança não é bonsai



Minha mãe costuma dizer que eu fui o pior menino da casa. E olha que a família é grande.

Eu nunca fui uma criança ruim ou maldosa. Eu era apenas agitada. A quantidade de energia que eu recebia e irradiava era muito maior que eu.

Por segurança, eu fui muito podada. O mundo era perigoso demais. As pessoas não eram confiáveis.

Quando eu engravidei da Maria Júlia, eu já estava ciente de que a comunicação entre a mãe e o feto acontecia por diversos meios. Então, eu conversava com ela e passava o dia acariciando a barriga.

Ela nasceu. Ainda que todos a tratassem como um bebê, eu jamais o fiz. Eu sabia da grandiosidade daquela alma e eu a respeitava profundamente. Então, eu continuei a conversar com ela e a explicar tudo que estava acontecendo, tudo o que iríamos fazer.

Com o Felipe foi a mesma coisa.

Eu nunca usei de subterfúgios para fazê-los obedecer. Eu nunca os disse que ser obediente era requisito de bondade. Eu nunca coloquei em dúvida o merecimento, nunca os fiz duvidar da sua perfeição.

Então, aqui em casa, quem morre não vira estrelinha. Não é o Papai Noel que traz os presentes SE eles forem obedientes. Também não é o coelhinho que traz os ovos do tamanho do seu merecimento.

Somos eu e o papai - e conforme a nossa capacidade financeira no momento.

Jamais reputamos irrelevantes as suas dores, sejam elas quais forem - pois é exatamente isso que elas estão sentindo.

Jamais fazemos pouco caso das suas birras - pois estão apenas expressando a sua frustração.

Apenas oferecemos a elas o nosso tempo, o nosso colo e explicamos os motivos que nos levam ao "não". Quando é necessário um pouco mais de energia, o castigo é a redução da sua liberdade - o que é um combinado que eles já conhecem.

Tudo gira em torno de causa e consequência, de plantar o que deseja colher.

Nem sempre temos toda a paciência do mundo. Há dias em que estamos exauridos e explosivos, o que também é verbalizado, para que eles saibam e entendam que eles não são o nosso problema: hoje não estou em um dia bom, estou exausta e sem paciência.

Eu sempre tive esse cuidado. Com os meus filhos e com todas as crianças.

Eu jamais subestimei a capacidade de compreensão delas. Quem não as entendem somos nós.

O olhar da criança, a sua dependência, a sua impossibilidade de dar conta da própria vida, o fato de que o mundo que elas conhecerão partirá do nosso olhar; isso nos chama à responsabilidade. Isso me chama à responsabilidade.

É como se, ao fazer isso, eu estivesse acolhendo a mim mesma.

É um grito silencioso de liberdade: eu posso ser eu mesma e não há nada de errado com isso!

É dar colo ao meu próprio ser, que, agora, depende só de mim.

A minha criança, tantas e tantas vidas limitada, moldada, violentada, abandonada; acompanhou-me abraçada com todas as minhas dores, escondendo-as de mim mesma, para que eu, adulta, pudesse caminhar até aqui.

Forte na confiança em mim depositada pela minha criança, eu dou passagem à minha essência e, assim, dou permissão para que a essência de todos à minha volta se manifeste.

Apesar de pensarmos que crianças são bonsais, que podemos moldá-las e escolher para onde devem se direcionar, eu garanto que elas não são.

Suas raízes são profundas e cada uma crescerá à sua própria maneira, linda na liberdade de expressar as alegrias e as dores que carrega.

Cabe a nós ensiná-las a compreender os seus sentimentos, ensiná-las a usar as palavras e a verbalizar a sua raiva, ensiná-las que é seguro ser elas mesmas.

De joelhos, em reverência, eu as olharei os olhos.

Minhas grandes professoras de vida.

terça-feira, 2 de outubro de 2018

Ah, o Magnetismo...




Há um ano eu estive presente em um encontro com o querido Diogo Beltrame.


Falávamos sobre as relações e ele - com muita simplicidade e propriedade - disse: o magnetismo é a força mais poderosa que existe. Ele é o que é. Pessoas que vibram na mesma frequência são atraídas, pessoas que vibram em frequências diferentes são repelidas. Ponto. Esse é o fluxo natural.

Nesse momento pensei no meu casamento.

Eu havia enveredado por um caminho de busca muito profundo, enquanto o Fabiano apenas assistia e continuava a sua vida normalmente - vez ou outra me acompanhando em algumas meditações (creio eu que apenas para ver onde eu estava me enfiando e para avaliar o meu grau de insanidade).

Minha vida mudou drasticamente. Meu olhar mudou. Meus hábitos mudaram. Meus gostos mudaram. Meus amigos mudaram (alguns mudaram comigo! <3). Meus interesses mudaram. 

Eu assumi o risco do magnetismo me afastar da materialidade, lugar onde morava o meu amado. Triatleta, administrador, marceneiro, pedreiro, eletricista, mecânico, São Tomé.

Aquele desejo profundo da minha essência era irresistível. Ela sabia para onde queria ir e estava decidida. E ela foi.

Tomou conta da minha autoimagem e das minhas preferências. Antes o espelho insistia em me mostrar os defeitos com caneta grifa-texto, agora mostra que eu sou perfeita como sou (eu amo olhar para o meu rosto quando o meu cabelo está desajeitado). Antes a inteligência e a retórica atraíam a minha admiração, hoje atraída pela simplicidade e pela doçura. Antes passaria horas ouvindo um PHD em direito tributário em uma palestra, hoje adoraria ficar presa no elevador com a velhinha da limpeza.

Tomou conta da advogada, que passou a ver a profissão como meio - não mais como fim, como objetivo de vida. Foi como se a minha consciência, por um décimo de segundo, tivesse um vislumbre da cena maior: leis são fictícias, a gente se veste bonito, escreve difícil e fala enrolado. Teatro. As relações de trabalho e as audiências passaram a ser um momento de verdadeiro contato humano, em que eu me dou 100%, em que eu me coloco como gente, em que eu não mais adapto o discurso.

Tomou conta da esposa, que passou a enxergar o parceiro como o SER que aceitou o desafio de dividir essa existência. Uma opção de alma. O homem que me arrebatou como um príncipe em um cavalo branco e, contra todas as previsões, dedicou contínuos esforços e cuidados nesta relação. Quando ele me abraça, o sentimento de gratidão me consome e eu reverencio aquela alma que torna o meu caminho mais leve, mais doce, mais tranquilo.

Tomou conta da mãe, que quando olha os seus filhos não mais se coloca na posição de leme, nem de âncora. Coloca-se, agora, na posição de porto seguro. Ae que eu me tornei confia plenamente na capacidade de escolha dos filhos e incentiva que a personalidade se desenvolva livremente, mantendo a essência de cada um intacta. Eles sabiam onde estavam nascendo.

Tomou conta da filha, que respeita profundamente as limitações e as opções dos pais, que ama incondicionalmente e honra o dom da vida - mas que se recusa a agir por conta de padrões familiares.

Tomou conta do gosto por música, por comida, por cheiro, por cremes, por roupas. Opto pelo mais confortável, pelo mais natural, pelo mais saudável, pelo mais alegre.

De repente, olhei para o lado, e ele estava ali. Mais leve, mais crente, mais doce. Mais natural, mais dedicado, mais paciente. Mais bonito, mais cheiroso, mais sorridente. Mais atraente, mais seguro, mais consciente.

Nada que a gente diz é tão forte quanto o exemplo. Vendo que as mudanças em mim eram valiosas, ele também respondeu ao chamado da essência - assim como muitas outras pessoas à minha volta.

Isso já estava escrito. Desde o primeiro minuto a nossa vida foi impulsionada por um estímulo interno fortíssimo. Nada que veio de fora nos dissuadiu, nenhuma opinião, nenhuma previsão, nenhum tropeço.

Agora não seria diferente. Santo magnetismo!

Por um mundo de seres conscientes!

Talita Rebello
31.03.2016

quinta-feira, 27 de setembro de 2018

Quando eu amo a mim mesma




Ano passado, aparentemente de repente, eu me vi em uma situação de profundo abandono. Autoabandono.

Eu não estava dando a mim mesma o amor que eu devia. Isso quase fez tudo desmoronar à minha volta. Mas, felizmente, quem desmoronou fui eu.

Resolvi que precisava passar alguns dias sozinha e fui para a Chapada dos Veadeiros. Acabei ficando no retiro do Prem Baba, mesmo sem ter conexão nenhuma com o trabalho dele e não ressoar com a tradição Sachcha.

No primeiro Satsang que eu assisti, ele abriu um dos papéis com perguntas e nele estava escrito: “Baba, é errado eu ter namorado e sentir atração por outra pessoa?”
Ele, rindo muito, disse: “Está querendo a permissão do papai, né?”

Quando os ânimos se acalmaram ele respondeu: “Errado, no sentido de pecado, não é. Mas é, no mínimo, autossabotagem. Você está sabotando a sua felicidade, colocando os seus objetivos em caminhos distintos, caminhos opostos que não se encontram jamais. Você nunca será feliz.”

Eu confesso que eu demorei bastante tempo para compreender a profundidade dessa frase. Digo mais, ela ainda ecoa na minha mente a cada passo que eu dou: “Está alinhado?”

Ela veio novamente à minha mente assistindo a uma palestra de Jan Val Ellam. Eis que ele começa a falar sobre o código de conduta pessoal: “todas as minhas escolhas e objetivos estão alinhados, eu cuido para que estejam em uma única senda, porque mesmo que eu tropece, mesmo que eu caia, eu sei para onde voltar.”

Em resumo, precisamos saber para onde queremos ir, para que nos seja possível escolher, para que possamos dizer não (ou dizer sim) com sabedoria e com confiança.

Está escrito em Coríntios 6: “Tudo me é permitido, mas nem tudo convém.”

Precisamos nos libertar da confusão dos sentidos.

Precisamos aprender a não nos autossabotarmos.

Precisamos dizer não ao que não se alinha com os nossos objetivos.

Precisamos plantar o que queremos colher.

Precisamos colocar a nossa energia nas possibilidades que convergem.

Escolher com sabedoria é amor. Amor próprio.

Degrau necessário para o amor incondicional, pois não podemos dar o que não temos.

Apenas depois de pararmos de atentar contra nós mesmos, é que passaremos a poder oferecer amor incondicional ao outro.

quarta-feira, 25 de julho de 2018

Selecionando Sementes




Eu sempre fui a favor de mergulhar nos sentimentos, de viver com intensidade os amores e as dores. Já que tudo passa, então que seja imediatamente vivido.

De repente isso tudo não faz mais tanto sentido.

Sinto, hoje, que essa ânsia por experiências faz com que nenhuma delas seja realmente compreendida. Surgem estímulos e mais estímulos, mas nenhum é exaurido.

Deixamos portas entreabertas, coisas e sentimentos mal resolvidos.

Deixamos o nosso foco voltado para fora, para o que estamos recebendo, reivindicando do outro que nos proveja com o que sequer oferecemos.

Acabamos perdendo o contato com o real significado da existência e nos tornamos inconscientes, reativos, sem responsabilidade.

Bombardeamos Gaia com as nossas emoções. Bombardeamos a grade. Bombardeamos uns aos outros.

Tornamo-nos obstáculos. Tornamo-nos resistência. Tornamo-nos rigidez. 

Faz-se necessário darmos um passo para trás em todas as situações que estamos vivendo. Precisamos fazer isso já, não há mais tempo.

É preciso que nos desliguemos emocionalmente das situações para encontrarmos o tão falado caminho do meio, para encontrarmos o nosso ponto de responsabilidade, para conhecermos a nós mesmos profundamente: precisamos ser o nosso próprio eixo e precisamos conhecer o nosso lugar no mundo – de forma que nada que o outro faça seja capaz de nos tirar de lá.

Manter a frequência e o centramento em meio a qualquer situação.

Dar o melhor que temos em toda e qualquer situação.

Cuidar do externo e do interno.

Viver a matéria e o espírito.

Talvez essa seja a chave para tornar mais leve a nossa passagem pelo Planeta.

Talvez essa seja a chave para tornar mais leve ao Planeta a nossa passagem por aqui.

Hoje, no Dia Fora do Tempo, observemos os nossos pensamentos. Observemos o que estamos nutrindo. Observemos como estamos alimentando as nossas relações. Observemos as sementes, pois amanhã é dia de plantio.

Olhemos para as nossas mãos: o que estamos oferecendo?